Tô Vendo uma Esperança! - Juventude Petista do RN

Semana 13

terça-feira, 24 de julho de 2012

Tô Vendo uma Esperança!

Tô Vendo uma Esperança!

por Daniel Chacon*


“Na parede de um botequim de Madri, um cartaz avisa: Proibido cantar.
Na parede de um aeroporto do Rio de Janeiro, um aviso informa:
É proibido brincar com o carrinho porta-bagagem.
Ou seja: Ainda existe gente que canta, ainda existe gente que brinca.” 
Eduardo Galeano


Estamos diante de mais um processo eleitoral. Esse vem acompanhado das mesmas práticas tradicionais, as mesmas ilusões vendidas e a promessa de que a vida da classe trabalhadora irá melhorar.

Não nutrimos ilusão alguma, sabemos quem são José Agripino, Garibaldi Alves, Henrique Alves, Robinson Faria, Rosalba Ciarlini, Vilma de Faria, Carlos Eduardo, Hermano Morais, Rogério Marinho, Paulinho Freire e Micarla de Sousa. Todos herdeiros da Velha Cultura Política. Lembramos a forma que esses setores se articularam ou se eximiram para derrotar o projeto popular durante as eleições de 2008, representado pela candidatura da companheira Fátima Bezerra. Temos acompanhado as atuais movimentações, as formas como PSDB/DEM, responsáveis diretos pela eleição de Micarla, têm se afastado da atual Prefeita para viabilizar a candidatura de Rogério Marinho. Temos também assistido à reaproximação da oligarquia Alves em torno das candidaturas de Carlos Eduardo e Hermano Morais e, no plano de fundo dessas alianças, as eleições de 2014 como moeda de troca.

Tais candidaturas são incapazes de representar os reais anseios da juventude e do povo trabalhador. Por isso, derrotar as candidaturas das oligarquias no Executivo e no Parlamento é tarefa fundamental para consolidar a Nova Cultura Política em nossa cidade.

Precisamos experimentar um modelo de gestão que privilegie a participação popular, que supere e visão tradicional de sempre encarar a juventude como “geração do futuro” e problema no presente. No último Censo do IBGE observamos que aproximadamente 241.121 cidadãos e cidadãs natalenses são jovens, isso equivale a 30% da população. Ou seja: Quem quiser dialogar sobre a superação dos problemas da cidade, inevitavelmente terá que dialogar com essa parcela da população.

Em pesquisa recentemente publicada pela Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (FLACSO), observamos que o percentual de homicídios praticados contra jovens no intervalo de 10 (dez) anos cresceu mais de 800% em nossa cidade, fazendo com que Natal superasse todas as capitais brasileiras nessa estatística. Sabemos que, proporcionalmente, essa taxa é ainda maior entre os jovens negros e pobres, ficando nítida a política de “limpeza social” colocada em prática por sucessivas gestões, através principalmente do sucateamento dos serviços públicos e da ausência de políticas públicas específicas para nossa juventude.

É por esse motivo que devemos provocar o debate das Políticas Públicas de Juventude em nossa cidade, a começar pela reestruturação da atual Secretaria Municipal da Juventude, Esporte, Lazer e Copa do Mundo da FIFA (SECOPA), separando a temática da Juventude e estabelecendo a competência de uma Secretaria específica de Juventude ou pasta atrelada ao Gabinete Civil da Prefeitura, desde que seja garantida a autonomia política e financeira. Precisamos ainda defender a criação de um Conselho Municipal forte, fiscalizador e amplamente representado pelo conjunto das organizações juvenis.

A implementação das Políticas Públicas de Juventude só será efetiva se pautada a participação popular e juvenil sobre os gastos públicos. Assim, a defesa do Orçamento Participativo deverá ser central nessa disputa eleitoral.

Muitas serão as lutas e as bandeiras defendidas pela juventude nessas eleições, mas somente uma candidatura do campo da Esquerda, que estabeleça o compromisso de diálogo com os movimentos sociais, será capaz de apresentar o projeto de cidade que queremos. Uma Natal pra além do imediatismo político e que merece muito mais do que um passado como futuro.


Nesse cenário o companheiro Fernando Mineiro se destaca ao reunir três condições necessárias para lançar um novo olhar sobre a administração municipal: A sensibilidade de quem é forjado pelas lutas populares, Ser o mais qualificado e atuante Deputado Estadual (reflexo de sua trajetória política) E apresentar a maturidade de quem está pronto para liderar a construção de um projeto democrático e popular em nossa cidade.


Sua candidatura é, portanto, a grande novidade do processo eleitoral. Livre de qualquer aliança conservadora, legitimado pelos acertos dos Governos LULA e DILMA, representa a possibilidade de voltar a sonhar, de acreditar na esperança vencendo o medo.

*Daniel Chacon é membro da Direção Municipal do PT-Natal e Secretário Estadual de Políticas Públicas de Juventude da JPT-RN

Nenhum comentário:

Postar um comentário